Análises Semanais Animes Blog

Sword Art Online: Alicization | Episódios 18 a 22: uma série de escolhas errôneas

©A-1 Pictures/Reki Kawahara | “Um dos raros momentos em que o Kirito foi o Kirito”
Sword Art Online: Alicization | Episódio 18 – O herói lendário <> Episódio 19 – O selo no olho direito <> Episódio 20 – Síntese <> Episódio 21 – O trigésimo segundoºcavaleiro <> Episódio 22 – O titã das espadas

Nota: Sword Art Online: Alicization, excepcionalmente, fora compilado em uma análise mensal. Entretanto, nos episódios finais, as análises voltarão para o período semanal. 


É impressionante o quanto a temporada de Alicization vem surpreendendo (negativamente) nesse segundo cour. Obviamente, não são todas as escolhas que são ruins, entretanto, como fã assíduo de SAO; desde sua primeira temporada, fico muito decepcionado ao ver certas coisas em cena.

A batalha contra o “herói lendário”

Vamos começar lá do episódio dezoito, onde o lendário Bercouli entra em cena para enfrentar o menino Eugeo. Sobretudo, uma luta que tinha âmbitos dramáticos, e tensos. O primeiro ponto que quero apontar como errôneo foi a atitude do Eugeo ao descobrir que tratava-se do lendário homem que matou o dragão.

Se vocês bem se lembram, o trio formado por Kirito, Alice e Eugeo (quando crianças) idolatravam esse homem; devido as histórias. E o Eugeo, simplesmente, não tomou conhecimento do cara. Acho um desserviço com a história do personagem, que, por sinal, já é feita de uma forma escrota.

©A-1 Pictures/Reki Kawahara | “Sacanagem, tio, avacalharam com você…”

E antes que me xinguem, eu gosto muito do Eugeo. Eu acho um personagem que dispõe uma capacidade incrível, porém, as coisas são sempre muito convenientes entorno dele. Tipo, ele derrotou o lendário Bercouli como se não fosse nada. Não querendo tirar os méritos de que o loiro ficou mais forte, todavia, é evidente que nós, telespectadores, não sentimos nem um pouco dessa evolução.

Nunca critique demais, pois pode piorar

Infelizmente, é a grande verdade. Como se não bastasse uma luta totalmente desprovida de emoção, Eugeo caiu nas mãos da Quinella. E virou um “gado”. Não, cara, não. Que escolha de roteiro TERRÍVEL. E eu digo isso, pois esse ponto do Eugeo corrompido NÃO SERVIU DE NADA! Nos episódios subsequentes, o Eugeo das “trevas” mal deu dificuldades para Kirito e Alice, sendo facilmente convertido ao que era antes.

Então eu me pergunto, por quê? Não faz sentido nenhum. Seria mais fácil a Quinella ter matado o Eugeo ou ele ter dado uma verdadeira emoção naquele combate morno com o Kirito. E, para piorar, o que menos faz sentido para mim é a Administrator ter interesse no Eugeo, sendo que ela, no episódio mais recente, mostrou estar ciente das façanhas do Kiritão da massa. Não seria mais apropriado tomar posse dele?

O senador palhaço irritante e a Quinella sem sentido 

Como eu disse, as coisas só pioram. Aquele palhaço… além de “gado”, é um péssimo personagem. E acresce todo tipo de sinônimo para ruim. Que o Reki Kawahara adora por psicopatas nas histórias dele, é fato. Mas um espécime vestido de bobo da corte? Além de ridículo, não impõe medo/ameaça NENHUMA! O Chudelkin é uma das piores coisas que eu já vi em SAO; o arco Fairy Dance é nota dez perto desse personagem.

©A-1 Pictures/Reki Kawahara | “Dois minutos de cena…”

Ele é tão “ameaçador” que foi derrotado em dois minutos de cena. Preciso dizer mais alguma coisa? Acho que exemplifiquei bem.

E, como eu disse, a Quinella faz uma série de escolhas sem sentido. Ela é a toda pomposa/poderosa, entretanto, quis corromper o Eugeo para ele lutar com o Kirito, sabendo que o Kirito é o mais forte (????). Além disso, nesse vigésimo segundo episódio, descobrimos o Titã das Espadas. Uma arma secreta que ela tinha que poderia atropelar qualquer um, mas não, tinham que enrolar dois episódios corrompendo o Eugeo.

Culpa de quem? 

Se eu culpo a produção do anime? A culpa deles é por adaptarem, mas a maior de todas é do Reki ao escrever a Novel e, para deixá-la “mais recheada”, “encher linguiça” de uma forma tão escrota. E não para por aí, a Charlotte, aquela aranha que protegia o Kirito, se sacrificou para que a nossa querida sábia da biblioteca viesse ao campo de batalha.

Fizeram uma comoção danada por causa da aranha, algo equiparado as plantinhas do Kirito no episódio sete. “Nossa, Breno, tadinha da aranha…” realmente, foi uma cena pesada, mas a comoção causada por ela não faz sentido algum, pois aquela aranha apareceu em dois momentos isolados na série. Se fosse presente a todo momento como, sei lá, o Pikachu com o Ash em Pokémon, aí sim valia toda essa movimentação.

Double Sword 

Como eu disse, ainda não consigo me convencer de que o Eugeo derrotou o Bercouli de uma forma tão… enfim, tive um pingo de esperanças de ver o Kirito usando duas espadas (quando ele pegou a do Eugeo), porém, logo quando o “gado” apareceu, recuperou sua espada. Seria muito mais emocionante e interessante se o Eugeo tivesse sido capturado pela Quinella, e o Kirito tivesse que apelar para as duas espadas; a modo de salvar seu amigo.

Ademais, eu iria ficar mais convencido se o Bercouli tivesse sido parado após uma conversa com a Alice. E não derrotado da forma que foi.

O único ponto bom: Kirito e Alice!

A Asuna que me perdoe, mas esses dois formam um “casalsão da p*rra”. A Alice, apesar de abrupta, faz um estilo tsundere muito bom. E em poucas interações com o Kirito, eles já dispõe de uma química sem igual. O que fez o Eugeo, perto dela, até parecer um estranho.

©A-1 Pictures/Reki Kawahara | “A Alice pode ser um pouco fofa às vezes!”

E se não fosse pela interação dos dois, acho que esses cinco episódios teriam sido um desserviço ainda maior com os fãs. Outrossim, Alice e Kirito me fizeram recordar de interações nostálgicas como a de Raku e Chitoge em Nisekoi, ou, até mesmo, de Steve Rogers e Natasha Romanoff em Capitão América: Soldado Invernal. Se tivesse um spin-off dos dois, eu ficaria muito mais satisfeito.

Em linhas gerais 

A animação continua consistente. Mas o roteiro está longe de apresentar isso: consistência. Uma história rasa, fraca, sem sentido e, além disso, com um propósito muito aquém. Música e animação não salvam uma produção, o roteiro deve sempre acompanhar o ritmo.

Subsequentemente, teremos a Cardinal envolvida no embate. Sobretudo, espero que ela possa resolver as coisas e dar mais “calor” para o anime; coisa que a obra precisa urgentemente.


Nota média: C – Muffin de Chocolate 

©MAPPA/Munehisa Sakai/Shigeru Murakoshi | “Esse atropelamento resume essa série de episódios!”

Sword Art Online: Alicization está em simulcast pelo serviço de streaming Crunchyroll.

Posts relacionados