Animes Blog Curiosidades Indústria

As melhores adaptações de light novel

©Kyoto Animation/Yonezawa Honobu

As chamadas Light Novels nada mais são do que livros com linguagem simples e algumas ilustrações estilo mangá. Elas vêm ganhando uma maior notoriedade recentemente, sendo que várias delas receberam adaptações de sucesso. Entretanto, algumas pessoas acabaram adquirindo um certo preconceito em relação a essa mídia, pois em sua maioria, ela tem como público-alvo otakus adolescentes (lembrando que, no Japão, “otaku” é um termo pejorativo).

Isso significa que boa parte das Light Novels procuram ao máximo agradar esse público. Para isso, os autores utilizam artifícios como bastante fanservice, waifus e tramas buscando primariamente a diversão, porém, menos elaboradas. Esses fatores não são exatamente falhas, mas acabam facilitando um pouco a criação dos famigerados “animes genéricos“, que agradam alguns, mas também desagradam muita gente. Além disso, durante sua existência, as “LN’s” tiveram duas fórmulas exaustivamente repetidas: escola de magia e Isekai, as quais acabaram saturando o mercado, dando pouco espaço para inovação.

©A-1 Pictures/Miyazaki Yuu

Entretanto, existem vários animes baseados nelas que podem com facilidade agradar quem não é muito fã de seu estilo. Todos os que citarei aqui apresentam, na minha visão, uma boa produção audiovisual e enredos interessantes. Alguns até mesmo caem naqueles clichês citados da mídia, mas souberam utilizá-los muito bem.

Re:Zero Kara Hajimeru Isekai Seikatsu

Começando com uma obra que, ironicamente, possui dois dos paradigmas apontados anteriormente: waifus e isekai. Temos aqui um protagonista que é enviado para um mundo de fantasia, onde fica rodeado de garotas bonitas. Entretanto, ao invés de desenvolver um plot padrão de harém, ação e fanservice, ele tenta executar uma trama mais criativa e com vários diferenciais. Apesar de alguns personagens ficarem um pouco pra escanteio com o tempo, quando é preciso explorar o psicológico de alguém eles conseguem fazê-lo bem feito.

©White Fox/Tappei Nagatsuki

O anime sabe balancear muito bem os momentos calmos e os tensos, contando com uma direção bastante competente por parte do Watanabe Masaharu; ela soube administrar essas transições; com o estúdio White Fox cuidando bem da animação.

As personagens femininas possuem um enorme carisma, tanto que na época do seu lançamento, ocorreu nas redes sociais a chamada “waifu wars“. Ademais, é um anime que o público geral consegue apreciar sem nenhum problema. Isso porque não há a presença de certos elementos que só quem já assiste animes do tipo há um tempo considerável consegue aturar.

Hyouka

Esse aqui é um anime produzido pelo Kyoto Animation, um dos melhores e mais conceituados estúdios do Japão. Como isso sugere, sua animação é simplesmente impecável, sendo praticamente 100% consistente e esbanjando fluidez.

©Kyoto Animation/Yonezawa Honobu

Seu enredo pode ser definido como um slice of life escolar de mistério. Pode soar estranho, mas é uma ideia diferente muito bem-executada. O protagonista é bastante inteligente, porém, preguiçoso, e de vez em quando resolve “casos” intrigantes e realistas no ambiente escolar. Os personagens principais têm uma ótima caracterização, e são desenvolvidos gradativamente até o final do anime, que é bem bonito.

Baccano

A ambientação de Baccano é bem distinta da maioria das Light Novels. Aliás, é bem distinta da maioria das obras de ficção. Isso se deve ao fato de que ela não está situada em apenas uma instância no espaço-tempo, mas em várias ao mesmo tempo. Essa característica é denominada “narrativa não-linear”, e o anime consegue administrá-la muito bem, lembrando que essa é uma opção bastante trabalhosa. Ela torna o anime mais interessante, pois o expectador passa o tempo todo com a mente a mil para juntar as peças do quebra-cabeça e entender a história.

©Brain’s Base/Narita Ryohgo

Também é legal sua característica de não possuir um protagonista específico, vários personagens podem ser considerados donos dessa função. Outrossim, ele não possui nenhum daqueles elementos de “LN’s “que irritam muita gente. A obra é isenta de qualquer tipo de fanservice, além de não haver harém, ambientação colegial, isekai e afins.  A produção técnica também é muito boa, com animação consistente e ótima soundtrack. Tenho convicção de que esse é um anime que pode agradar qualquer tipo de pessoa.

Monogatari Series

Apesar de afastar muitos com seu fanservice sexual um pouco mais pesado e sua identidade visual bastante peculiar, é fato que Monogatari é uma das histórias mais bem-escritas dos animes. O estúdio Shaft e o diretor Shinbo Akiyuki conseguiram adaptar bem uma novel quase que inadaptável. Isso porque ela é constituída basicamente de extensos diálogos e poucas ações; isso pode até funcionar em um livro, mas fazer isso em uma obra audiovisual pode torná-la maçante.

©Shaft/Nisio Isin

Para contornar isso, decidiram abstrair praticamente toda a parte visual, utilizando cenários quase surrealistas e/ou um pouco de ecchi. Isso faz quem está assistindo se entreter e refletir sobre os visuais bizarros ao mesmo tempo que presta atenção aos diálogos. Os personagens também são muito bons e carismáticos, completando assim os fatores para um anime ótimo de assistir.

Yahari Ore no Seishun Love Comedy wa Machigatteiru

Não vou tentar esconder, eu sou um fã assumido de Oregairu (abreviação para esse nome gigante acima). Nele está o meu protagonista favorito, o Hikigaya Hachiman, que foge completamente do padrão de personagens principais de anime. Ele é um cara desacreditado com o mundo e a humanidade, possuindo uma visão muito pessimista sobre as coisas em geral. Dele saíram algumas frases que ficarão comigo para o resto da minha vida, como “a realidade é cruel, então tenho certeza que mentiras são um tipo de bondade. Por isso, eu digo que a própria bondade é uma mentira.”

©Brain’s Base/Watari Wataru

Tenho certeza que, apesar de marcante, não é difícil perceber algumas falhas em relação a generalização nessa frase, e isso é intencional. A percepção do protagonista e seu amadurecimento para, digamos, superá-las e adaptá-las, acarreta em um personagem muito bem construído e desenvolvido. Os outros também possuem cada um sua profundidade, e as heroínas principais esbanjam carisma.

©Feel./Watari Wataru

Ademais, junto a isso tudo, há um drama bem-elaborado aliado a momentos agradáveis de comédia. O estúdio mudou de uma temporada para a outra, indo do estúdio Brain’s Base para o Feel., este último fazendo um trabalho bem superior.

E você? Conhece mais algum nome que poderia ter sido citado? Espero que tenham gostado e digam, já assistiram a algum desses? Até o próximo artigo. Espero que tenham aproveitado essa refeição.

Posts relacionados