Blog Curiosidades Indústria

BGS: o que dizer sobre a Brasil Game Show 2018?

©Brasil Game Show

Minasan kon’nichiwa! Hoje, estou aqui para falar como foi a Brasil Game Show 2018 para vocês. Lógico, dando créditos à Victor Neres (nosso assessor de imprensa), que estava por lá, cobrindo o evento. E me trouxe informações bem interessantes. A BGS Next Level, foi tão boa assim? Vamos lá, vem comigo, que eu explico.

O evento

Primeiramente, vamos com as criticas positivas. Tivemos muitas empresas, mais do que no ano passado. Acho que a maior surpresa, foi a Nintendo ter aparecido, afinal, ela havia desistido do brasil, porém, foi bom ter-lá conosco nesse dia. Trazendo seus mais novos jogos, que, serão citados no próximo tópico. Pessoas icônicas estavam lá. Algumas atrações menores; também alegraram as pessoas que se encontravam lá, bom, dá para dizer, que foi um evento satisfatório.

“Victor Neres na BGS. Se querem dar Hate em alguém pelas críticas, já sabem quem é kkkk (brincadeira, ok?)”

Agora, vamos para onde separamos o ruim, e expomos a mesa. Brincadeiras a parte, o layout não estava muito bom. A área dos cosplays era muito escondida, sendo que, no ano passado, ficava em destaque na entrada. Outro prejudicado, graças ao layout, foi a Nintendo, afinal, ela acabou ficando atrás da Sony, e da Microsoft, fazendo com que ficasse bem mais escondida; em comparação com suas rivais.

A quantidade de brindes era bem maior no ano passado, agora, você deve estar perguntando “mas, a falta de dinheiro… e isso… e aquilo… bla bla bla…”, não defendam, a maioria das marcas lá tinham condições mais que suficientes para distribuir uma lembrança, criando assim, uma recordação daquele dia.

“A área de cosplays que menciono abaixo”

Conclusão? Se esse é o Next Level, prefiro regredir a continuar “evoluindo” desta maneira. Não foi um evento ruim, porém, não foi como nos outros anos, simplificando, poderia ter sido melhor; como foi a BGS 2017.

Os games
Pokémon: Let’s Go, Pikachu! e Pokémon: Let’s Go, Eevee!
©Nintendo

Já começo dizendo, que, somente alguns sites, escolhidos pela própria Nintendo puderam jogar, portanto, agradecemos a Pokémon Blast News e ao Danilo (CEO de lá) por ter escolhido o Victor para ser um dos jogadores. Agora, vamos ao game! A demo foi curta, assim, não deu para saber como são as batalhas de ginásio, porém, deu para separar alguns pontos, vamos lá?

Deu para notar que o jogo mistura mecânicas de Pokémon GO, e outros jogos principais da franquia. A Pokéball trouxe uma experiência interessante para o jogo, afinal, ao capturar um Pokémon, o centro dela se acende: de acordo com a cor do Pokémon. Os controles dos games são mais simples, uma vez que, possuem poucos botões. Os gráficos, nas batalhas, foram melhores, afinal, estão bem redondos; diferente de antes (pixels e mais pixels), porém, a sombra dos Pokémon ainda estão em um formato “pixel”. 

©Nintendo

É possível ver os “monstrinhos” no “matinho” e desviar de muitos deles, porém, alguns ainda conseguem lhe atacar. E uma dica para os players: de acordo com a demo, na Floresta de Viridian, pode-se encontrar Nidoran, Ratata, Pidgey, Psyduck, Jiglypuff, Catepie e Weedle. A mecânica do jogo é simples, o que quero dizer com isso? Não é necessário lutar com um Pokémon selvagem para capturá-lo.

Conclusão? Não é o jogo perfeito, mas é um ótimo tapa buraco até a espera da próxima geração. Esse game levou:

Rank B – 3,5/5

Super Smash Bros Ultimate
©Nintendo

Não temos muito o que falar, afinal, os Fighting Games não têm o costume de mudar muito de uma versão para outra. Mas, as coisas mais notáveis são: o aumento no número de personagens, e suportes. É como um UNO, uma hora, você está ganhando, já na outra, você pode estar em último. O jogo aparenta se tornar mais interessante quando jogado em equipe.

©Nintendo

Conclusão? É uma evolução do jogo. Está muito bom, e divertido, porém, hoje ele não “subiu de rank”, talvez, a Nintendo consiga melhorar isso com patches, quem sabe, certo? Esse game levou:

Rank B – 3,5/5

Resident Evil 2 (Remake)
©Capcom

Foi um jogo bom, além de ser a maior nota que irão ver hoje. Lembrando que, a review está sendo feita com base na Demo; disponível na BGS. Vamos aos destaques do jogo: a demo do Leon deixou a desejar, porém, a da Claire estava linda. Os gráficos estão ótimos, além de que, apesar de minuciosas mudanças no cenário, o jogo remete muito sua versão original. A dificuldade do game aumentou, com isso, está incrivelmente fiel à época clássica.

©Capcom

Conclusão? É um jogo divertido, e muito nostálgico. Outrossim, aparenta ter sido o melhor jogo apresentado na BGS. 

Rank A – 4/5

Jump Force
©Bandai Namco

Agora, vamos com a pior nota (infelizmente). A demo foi surpreendentemente rápida, porém, deu para tirar alguns destaques do jogo; que são: ele possui comandos difíceis. Não é indicado para quem é amador em Fighting Games, afinal, para somar, ainda há  IA’s infernais. O jogo teve uma boa ideia, porém, a dificuldade dos comandos atrapalha muito. O game te prende; e faz com que você tente aprender sobre ele, porém, é mais voltado para o público otaku.

©Bandai Namco

Conclusão? É um jogo para pessoas acostumadas com Fighting Games, e que gostem de animes clássicos (Dragon Ball, Naruto, CDZ, HxH… etc). Esse game levou:

Rank B – 3/5

Posts relacionados