Blog Curiosidades Indústria

Como os animes são feitos: funções diretamente ligadas à criação

©Madhouse/Mamoru Hosoda

Eu escrevi, anteriormente, um post que seria o passo inicial de uma série, que tem como objetivo explicar, de forma simples, as funções de cada profissional no ambiente de produção dos animes.

Naquela oportunidade, falei exclusivamente das pessoas responsáveis diretamente pelo processo da animação em si. Dessa vez, as estrelas serão aqueles responsáveis por liderar o processo criativo do anime; ou de um episódio específico.

Storyboard (絵コンテ – Ekonte)

Antes de mais nada, é importante saber que cada episódio de anime possui um roteirista. A pessoa responsável é creditada como Script (脚本 Kyakuhon), que, como o nome bem sugere, nada mais é do que puro texto contendo os diálogos e as ações dos personagens — algo, logicamente, fundamental.

No entanto, não é possível, em qualquer produção audiovisual, pular do roteiro diretamente para o processo de gravação ou animação. Antes disso, é essencial a criação dos storyboards.

Eles são basicamente projeções desenhadas, que servem para a visualização de como os acontecimentos serão passados quadro a quadro para a tela. Em suma, se trata do “esqueleto” de tudo que será feito futuramente.

No caso específico da indústria de animes, que é o foco principal aqui, há um “template” adotado por boa parte dos envolvidos. Ele pode ser visto na imagem abaixo, tirada do storyboard da opening de Boogiepop wa Warawanai.

©Madhouse/Kouhei Kadono

É possível notar que a lauda é dividida em corte, imagem, ação, diálogo, e tempo. É importante, aliás, entender o termo “corte”. Um corte é a marcação de uma cena até o momento que há uma “troca de câmera”.

Neste exemplo, nota-se que os três quadros do meio fazem parte do corte 34, enquanto o último já é do 35.

Isso significa que houve uma mudança de perspectiva no final do quarto quadro para o início do quinto. No caso, a câmera estava focando na face da personagem, mas ocorre um corte e ela passa a ficar posicionada na direção da parte de trás do corpo dela.

Isso é útil, por exemplo, para dividir o trabalho entre os animadores. Sempre um animador é designado para animar uma certa quantidade de cortes.

Na coluna “imagem”, como o nome bem sugere, está desenhada um esboço da cena. Não é necessário que o desenho seja detalhado, apenas que seja possível interpretar coisas como a posição desejada da câmera, a movimentação dos personagens, e sua disposição na tela.

Alguns storyboarders fazem esboços bem rústicos, enquanto outros, como o da capa desse post, são tão detalhistas que os desenhos poderiam facilmente serem usados no produto final. Nenhuma das duas abordagens está errada, no entanto.

As outras colunas são igualmente importantes. Em “ação”, são escritas orientações extras para quando as cenas forem feitas.

Essas orientações são essenciais e definem desde detalhes da movimentação até ações do setor de fotografia. A coluna “diálogo” está vazia nesse caso porque é de uma opening, mas indica as falas do(s) personagem(s). Já “tempo” indica a duração do corte.

Agora vejam abaixo como ficou o resultado final da cena presente naquele storyboard e façam a comparação.

©Madhouse/Kouhei Kadono

Vamos, então, a quem tem a tarefa de assegurar que as ideias presentes no storyboard sejam passadas devidamente para a tela.

Diretor (監督 – Kantoku) e diretor de episódio (演出 – Enshutsu)

Se alguém me perguntar o que um diretor faz na produção de anime minha resposta vai ser bem simples: tudo.

Ele está envolvido em toda a produção, desde a criação do roteiro até a checagem dos storyboards e da animação.

Como líder do projeto, qualquer coisa importante deve passar pelo aval dele, assim como todas as decisões artísticas primárias. Ele também deve saber administrar o projeto de modo a não deixar que ele saia dos trilhos, tendo de ter noção do que é e do que não é viável fazer com a equipe que ele tem em mãos.

Como é humanamente impossível uma única pessoa supervisionar cada segundo de um anime para TV, existem os diretores de episódio.

Eles fazem basicamente as mesmas coisas que o diretor geral, só que de forma micro em apenas um episódio específico. O ideal é que o diretor de episódio seja a mesma pessoa que fez o storyboard, já que assim caberia a ele saber passar para a tela o que o próprio idealizou.

Porém, muitas vezes isso não acontece, principalmente, devido aos cronogramas ruins de produção.

Normalmente o próprio diretor do anime pega para dirigir pessoalmente os episódios mais importantes, como o primeiro e o último. Um caso curioso que ilustra bem isso é Black Clover, em que os episódios do diretor do anime, Tatsuya Yoshihara, sempre são anos-luz à frente em qualidade se compararmos com os outros.

Também há casos como Youjo Senki, em que o episódio mais bem produzido do anime foi de longe o 11, que teve como diretor daquele episódio ninguém menos que Yuzuru Tachikawa, diretor de Mob Psycho 100.

Nem os episódios do bom diretor geral do anime conseguiram ser melhores do que aquele. Mas nem sempre os diretores de episódio têm muita liberdade criativa, isso acaba variando de acordo com a natureza do projeto.

Pois bem, espero que o post tenha ajudado vocês a entenderem melhor esses aspectos relacionados à criação e direção dos animes. Obrigado por lerem, e fiquem ligados para os próximos artigos da série.

Leia os outros artigos da série.
Confira mais curiosidades sobre a indústria.

Posts relacionados