Blog Curiosidades Indústria

Como os animes são feitos: funções diretamente ligadas à animação

©Kyoto Animation/Akiko Takase

Algo que, na minha opinião, todo fã assíduo de uma determinada mídia deveria fazer, é buscar saber como e por quem esta é produzida. Dessa forma, você tanto ganha mais embasamento e admiração quanto valoriza o trabalho das pessoas envolvidas. Bom, com os animes isso não é diferente (muito pelo contrário).

Com esse pensamento em vista, decidimos começar aqui no site uma série de posts voltados à explanação de fatores ligados à produção de animes. Esperamos que, ao final dela, vocês fiquem com vontade de buscar conhecer ainda mais desse lado da animação japonesa.

Antes, devo reforçar que tudo aqui foi planejado para ser passado da forma mais simples possível. Então, caso você já seja familiarizado com os conceitos, não encontrará nada de novo por aqui.

Para iniciar, optei por explicar as funções dos profissionais mais fundamentais em uma animação — os animadores e derivados. De fato, como será visto a seguir, muita coisa acontece antes daquele produto final colorido e agradável. Sem mais delongas, vamos a eles.

Layout (レイアウト), Key Animation (原画 – Genga) e In-between Animation (動画 – Douga)

Antes de entrar no mérito dos animadores em si, é interessante saber da existência dos chamados layouts.

Eles consistem no primeiro passo de passar para o papel as idéias do storyboard (conceito que será explorado em um post futuro). Está explícito, nos layouts, a posição de “câmera” no momento e a disposição dos personagens e dos cenários na cena.

Além disso, possui notas e apontamentos para setores como os de arte e de fotografia. Isso tudo é feito objetivando guiar o resultado final para algo o mais próximo possível do que era desejado inicialmente.

©Tatsunoko Production/Taiyou Matsumoto

O responsável pelo layout geralmente é o animador da própria cena. Então, vamos finalmente aos animadores.

O primeiro tipo de animador abordado cobre os chamados “Key Animators”. Eles são basicamente os pilares de qualquer animação, pois são responsáveis por fazer os momentos-chave das cenas; ou seja, desenham o início, o final e todos os momentos importantes de cada corte animado. Para uma melhor visualização disso, eu trouxe o “genga” abaixo do famoso animador Arifumi Imai no anime Vinland Saga.

©Wit Studio/Makoto Yukimura

Deve-se notar que esse gif deixa a impressão de que há alguns frames faltando, certo? Não é só uma impressão. A função do key animator é de “apenas” desenhar os frames que definem como serão os movimentos. Mas então fica a pergunta, quem faz os restantes?

Estes são os denominados In-Between Animators. Apesar de ostentarem os piores salários da indústria e serem frequentemente ignorados, não haveria animação sem eles. Como o próprio nome sugere, eles completam os espaços faltando entre as key animations, resultando, de forma definitiva, na ilusão de movimento. Comparem a cena acima com a cena pronta. Verão que todas as “pausas” foram preenchidas.

©Wit Studio/Makoto Yukimura

O caminho mais comum ao adentrar na indústria é começar com in-between para ser “promovido” a key animator ao adquirir mais experiência.

Animation Director(作画監督 – Sakuga Kantoku) e Chief Animation Director (総作画監督 – Sou Sakuga Kantoku)

Ao decorrer de um episódio há a participação de vários animadores (salvo raras exceções). Já que é impossível todos eles desenharem do mesmo jeito, torna-se necessário que exista alguém responsável por assegurar a consistência através de correções.

Essas pessoas são os diretores de animação, conhecidos como sakkans. Para exemplificar, vejam a imagem abaixo. À esquerda está um genga de Masako Misumi para o anime Dragon Ball Z contendo a personagem Android 18.

Para torná-lo mais próximo ao modelo padrão da personagem no anime, o diretor de animação naquele episódio, chamado Kazuya Hisada, fez as correções necessárias, como pode ser notado na folha à direita.

©Toei Animation/Akira Toriyama

Antigamente, apenas sakkans eram necessários para obter um resultado consistente. No entanto, com o passar do tempo, as condições na indústria foram piorando e os prazos foram ficando mais curtos, e em um certo momento os episódios passaram a ter vários sakkans.

O mesmo problema causado pelos múltiplos animadores se repetia. Então, passou a se fazer necessária a presença de um sou sakkan (diretor de animação chefe), cuja função é corrigir as correções dos sakkans.

Irônico, não? Isso fica pior ainda ao saber do fato de que hoje em dia alguns episódios chegam a ter até mesmo vários sou sakkan. Assim, a ideia inicial vai praticamente pelo “ralo”. Resultado esperado de uma indústria que majoritariamente não dá a mínima para um bom planejamento.

2nd Key Animation(第二原画 – Daini Genga)

Para finalizar, deixei para falar de uma função mais recente, que existe como reflexo da falta de noção da indústria. Já deu pra ver, no tópico anterior, que há muitos profissionais direcionados à correção das cenas, certo? Pois bem, elas não são mais suficientes.

A função de 2nd Key Animator nada mais significa que polir gengas que estão demasiadamente “brutos”.

Isso quer dizer que a produção dos animes ficou tão rushada a ponto de não possibilitar nem que os key animators terminem seu trabalho de forma a estar polido suficiente para que só seja necessária a correção.

Eles, muitas vezes, acabam entregando praticamente sketches para que os 2KA possam finalizar o desenho.

Ou seja, um único quadro desenhado passa por:

  • Um key animator;
  • Um 2nd key animator;
  • Um sakkan;
  • Um sou sakkan;
  • E, às vezes, até pelas mãos do próprio diretor geral da série para ficar pronto e ir para as outras partições (cenário, coloração, fotografia, etc).

Esse sistema é muito ineficiente, e é bastante trabalhoso gerenciar tanta gente (ainda mais tendo em consideração o outsourcing/terceirização, fato que será explorado com detalhes em outro post).

Isso tudo só ocorre devido aos problemas crônicos da indústria: baixos salários, más condições de trabalho e prazos apertadíssimos. Nunca se produziu tantos animes antes, mas isso acaba acarretando em um mal-estar na indústria enquanto os executivos não estiverem dispostos a investir na qualidade e não na quantidade. E eu não estou falando em qualidade visual, mas em qualidade da forma de tratar seres humanos.

Considerações finais

Espero que vocês tenham criado mais interesse em entender sobre como as coisas que vocês gostam são feitas. Eu devo ter assustado um pouco vocês com as críticas à indústria (e se acostumem, porque será algo constante nesses posts), mas saibam que isso serve pra vocês valorizarem ainda mais o que estão vendo na tela.

Mesmo em condições tão ruins, os profissionais se esforçam para trazer algo decente para a tela. Então, quando seu mangá favorito estiver sendo mal animado, não xingue os animadores ou o estúdio, xingue as grandes produtoras que não dão condições suficientes para que um bom trabalho seja feito. E quando estiver sendo bem animado fique mais feliz ainda, pois foi certamente difícil e teve muito talento envolvido.

Para um maior aprofundamento sobre essas funções visite o Sakuga Blog.
Confira a nossa série sobre os melhores animadores da indústria.
Leia mais curiosidades sobre a indústria dos animes.

Posts relacionados