Blog Primeiras Impressões Temporada de Inverno

Primeiras Impressões: Yakusoku no Neverland

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu
Yakusoku no Neverland – Descrição técnica

Nome alternativo: The Promised Neverland
Diretor: Mamoru Kanbe
Autor original: Kaiu Shirai (roteiro), Posuka Demizu (ilustração)
Estúdio: CloverWorks
Adaptado de: Mangá
Data de estreia: 09/01/2019
Gênero: Ficção científica, Mistério, Terror

Ouvimos falar de hype? Pois é, The Promised Neverland ou Yakusoku no Neverland como é conhecido no original, chegou com o “pé na porta” como uma das estreias mais promissoras desse inverno. Nossa staff não poderia deixar de avaliar.


Jacó Neto – Redator do Café Stile

Não é segredo para ninguém que o anime mais hypado” pela comunidade nessa temporada é The Promissed Neverland. Fato, certamente, justificável, pois o mangá em que é inspirado ficou muito popular, vencendo, inclusive, diversos prêmios importantes. Esse início mostrou bem o porquê. O primeiro episódio é extremamente funcional, tendo como principal destaque a grande — e pesada — reviravolta perto do seu fim.

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu | “Impactante é eufemismo…”

Em relação às questões técnicas, eu diria que foram acima do esperado. A direção, por exemplo, mostrou habilidade na transição entre as cenas leves e as mais sombrias. Sabendo passar bem as emoções requisitadas por cada momento; a animação também foi digna de nota, com vários bons cortes de character acting.

A única coisa que eu posso reclamar com mais afinco nesse sentido são os cenários do Atelier Musa, que, apesar de não serem ruins, definitivamente, não fizeram jus aos belíssimos backgrounds da mangaká Pozuka. A trilha sonora, porém, é maravilhosa.

Nota: 4/5 – Café au lait


Breno Santos – CEO do Café Stile 

Desde que a adaptação foi anunciada, eu já estava na expectativa. Não sou muito fã de terror, mas o mangá em si já tinha conseguido me atrair bastante. A estreia foi um exemplo de boas adições, afinal, além de terem adaptado o capítulo um do mangá na íntegra, adicionaram várias cenas extras para fornecer um impacto ainda maior.

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu | “O olhar dessa mulher é sinistro.”

staff é muito boa. A trilha sonora é o que se destaca; além das cenas de character acting. Ademais, o ponto negativo fica para a background art. Não é de hoje que o Atelier Musa vem fazendo serviços ruins em grandes produções – o próprio Boku no Hero foi vítima disso.

Nota: 4/5 – Café au lait 


Éder Rodrigues – Redator do Café Stile 

Eu não conhecia a obra anteriormente, como muitos conheciam, mas este primeiro episódio foi interessante.

O começo não mostra como é o tom da obra, mas questionamentos são feitos sobre o motivo deles estarem presos naquele lugar. E isso é interessante, principalmente, levando em conta a inquietude sobre o que há além do orfanato. O que me lembra, em partes, Shingeki no Kyojin.

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu | “Olha o Elias de Mahoutsukai no Yome aí!”

A partir da metade do episódio, há uma mudança de perspectiva, deixando de ser engraçado e proporcionando momentos mais tensos e de indagações maiores e melhores sobre o que os cercam. O medo e o choque são empatias interessantes para notarmos como aquela situação é nova; e a surpresa deles perante aquela adversidade.

Para o primeiro episódio, The Promised Neverland não me surpreendeu e não me passou uma sensação. A relação de tensão, na minha opinião, ficou aquém de uma obra no qual muitos falam que é ótima. Irei acompanhar mais, para ter uma visão melhor da obra, mas digamos que foi uma estreia mediana para uma obra tão hypada.

Nota: 3/5 – Café expresso


Marcelo Almeida – Redator do Café Stile

Ótima estreia, fazendo tudo e mais um pouco para chamar à atenção de quem estava minimamente curioso pela obra, e deixar quem já estava empolgado ainda mais interessado na história.

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu | “Essa família é muito unida!” ♬

Não dá para falar muito sem estragar a surpresa, então, para quem gosta de suspense, é uma boa dar uma olhada, e se preparar para terminar bem surpreso com o resultado.

Nota: 4/5 – Café au lait 


Pedro Guaraná – Podcaster do Café Stile 

Neverland estreia sendo uma das maiores promessas do ano. A equipe de Yuichi Fukushima foi a escolhida para tal adaptação. Boa parte dela fez parte de Darling in the FranXX em 2017. Com uma direção sólida e um storyboard bem feito, o primeiro episódio destaca-se como a melhor estreia da temporada até agora.

©CloverWorks/Kaiu Shirai/ Posuka Demizu | “Não tem nada demais nesses backgrounds.”

O final foi de tirar o fôlego, e até mesmo eu que já tinha lido o mangá; fui surpreendido pela cena, certamente, o impacto foi muito grande. Em quesito técnico, estava tudo certo, com exceção dos backgrounds que foram feitos pelo Atelier Musa e que não têm nada de impressionantes, desde Boku no Hero eu já sou um crítico do estúdio.

Nota: 5/5 – Expresso Macchiato
Nota média da Staff: 4/5 – Café au lait


©A-1 Pictures/Tsukasa Fushimi | “É bom ao ponto da Kirino trocar os eroges dela para assisti-lo!”

Yakusoku no Neverland está em simulcast pelo serviço de streaming Crunchyroll e também pelo HiDive.

Posts relacionados