Animes Blog Reviews

Review: Sora to Umi no Aida

©TMS Entertainment/Ouji Hiroi
Sora to Umi no Aida – Descrição técnica 

Nome alternativo: Between the Sky and Sea
Diretor: Atsushi Nigorikawa
Autor original: Ouji Hiroi
Estúdio: TMS Entertainment
Adaptado de: Jogo
Número de episódios: 12
Gênero: Aventura, Espaço, Fantasia, Ficção científica

Nos dias atuais, com a correria do cotidiano, fica difícil dedicarmos a muitas obras. Além disso, com a presença do My anime list e suas médias, tudo que costuma ser abaixo de 7 ou 6 é comumente deixado de lado. Sora to Umi no Aida não está com a melhor média, porém, é uma obra que merece certa consideração.

Esse tipo de produção com média baixa, costuma ter uma tendência a ir por dois caminhos. A rota dos animes ruins que nem sequer deviam ter tido a sua produção aprovada ou o caminho de uma obra que, apesar de suas falhas, dispõe de algo para oferecer.

É inegável que a animação de Between the Sky and Sea é simplória. Há algumas cenas bem polidas e isso é notável, entretanto, ao passo que existe um certo número de cenas legais, contrariamente, maior parte do tempo nos é entregue algo ameno no sentido visual.

O roteiro é, na melhor das hipóteses, uma bagunça. Todavia, olhando o lado ruim, indubitavelmente, a história do anime não faz sentido algum. Grande parte dos acontecimentos do enredo soa como um amontoado de ideias dispersas que foram jogadas a mesa para a produção do show.

Mas em que o anime pontua? 

Nas personagens. Entretanto, existem dramas que destoam um pouco da premissa de comédia. Porém, nenhum deles soa forçado. Afinal, trata-se de adolescentes que nunca foram para o espaço pescar. Além disso, as personagens evoluem muito psicologicamente; além de em suas habilidades e, com certeza, acompanhar essa ascensão e as meninas superando as diferenças para uma boa convivência, é uma das melhores coisas que a obra oferece.

Em suma, pode-se notar que Sora to Umi tem potencial. Entretanto, é como se Takashi Yamada, responsável pela composição de série, não tivesse tido tempo de lapidar essa enxurrada de ideias. Vale ressaltar que ele já fez o roteiro de obras antigas que são, relativamente, famosas: Zatch Bell Inuyasha.

De todas as personagens, a Ruby talvez seja a mais adorável. Todas as suas interações conseguem ser ótimas; e a chegada dela proporcionou uma evolução geral ao grupo. Entretanto, posso garantir que a maior parte das garotas é cativante.

Em linhas gerais 

O anime é uma bagunça genuína; é aquela que é ruim mas tem seu lado bom. O enredo pode ser básico e fantasioso, entretanto, o principal objetivo a produção cumpriu: divertir o público. Se você gosta de ver um bom trabalho em equipe e situações que envolvam evolução, com certeza, a obra é um ótimo pedido.

Nota: 7 – Café submarino 

©TROYCA/Nio Nakatani | “Parece que a Yuu se surpreendeu com o título!”

Sora to Umi no Aida está em disponível no catálogo do serviço de streaming Crunchyroll.

Posts relacionados