Animes Reviews

Review: Magical Girl Spec-Ops Asuka

©LIDENFILMS/Seigo Takiya/Makoto Fukami

Magical Girl Spec-Ops Asuka – Descrição técnica

Nome original: Mahou Shoujo Tokushusen Asuka
Diretor: Hideyo Yamamoto
Autor(es) original(is): Seigo Takiya (arte) e Makoto Fukami (história)
Estúdio: LIDENFILMS
Número de episódios: 12
Adaptado de: Mangá
Gênero: Ação, Drama, Ficção, Magia

Depois do surgimento de Madoka, lá no início de 2001, o gênero “mahou shoujo” começou a ganhar cada vez mais destaque, e apresentar oportunidades de se criar história que iam além do conceito padrão.

Magical Girl Spec-Ops Asuka surge bebendo dessa fonte, tentando trazer uma obra, que, usa essas “inocentes garotinhas mágicas” para construir enredos mais sérios e adultos. Mas será que esse anime, realmente, consegue fazer isso?

Vivendo como uma garota mágica

Se o que você busca em Asuka é algo próximo a experiência de Madoka, então a resposta para a pergunta ali de cima é um belo não. O anime até que tenta abordar uma perspectiva mais existencialista das garotas, e das suas funções como “mahou shoujos”, mas isso nunca chega a ir muito longe, o que é uma pena.

Daria, certamente, para tirar boas ideias em cima da quebra de expectativas que as personagens sofrem ao se tornarem garotas mágicas, e de como um conceito de pureza e amor torna-se uma atividade brutal e violenta. Os momentos em que elas estão nas suas vidas cotidianas até que são bacanas, e conseguem levantar um pouco do drama necessário para que o público simpatize com a situação das garotas.

Mas o resultado final, no entanto, acaba sendo algo bem mais simples, com apenas alguns momentos de reflexão por parte das personagens.

Militarização

Porém, mesmo que soe negativo essa ausência de profundidade nos temas mais elaborados, o anime não deixa a desejar.

O grande destaque para Asuka fica em como a obra consegue ter uma identidade própria, mesmo que se aproveitando dessa “carência”, digamos assim, que o gênero criou com Madoka. O que, em outras palavras, traz um entretenimento divertido de se acompanhar. A maneira como o anime usa do conceito de garotas mágicas, e reverte isso em uma função militar é certamente curioso, e deixa um perspectiva interessante sobre o mundo da obra.

Mesmo após derrotar o grande vilão, elas ainda têm que continuar a lutando, dessa vez, contra seres humanos que, se aproveitando dos espólios da guerra mágica que aconteceu, criaram um sistema de terrorismo.

Isso traz um conceito que acaba te levando a questionar coisas como a necessidade de guerras, e entender o ponto de vista dos soldados que vivem se envolvendo em conflitos. Matar não deveria ser algo fácil, e em diversas situações, é exatamente esse o ponto que a personagem Asuka se pega pensando.

Ela está ali cumprindo uma função, mas as suas ações têm resultados reais na vida de diferentes pessoas, sejam elas vilões ou aliados e, a medida em que a história vai avançando, você começa a perceber o quão pesado essa vida militar pode ser.

Brutal

Outra coisa que marca bem o mundo da produção é a violência. Para aqueles que gostam de doses de tinta vermelha, a obra pode servir como uma ótima opção. São desmembramentos, mutilações, torturas e tudo mais que possa jogar o anime em uma classificação +18, sendo que algumas lutas conseguem ser bem tensas, já que o fator morte é algo que ronda as personagens.

A animação não chega a ser top de linha, mas também não decepciona muito, variando entre algumas coreografias mais elaboradas, e cenas mais simples.

No geral, Asuka consegue, através da violência, mostrar o comportamento que as garotas acabaram adquirindo ao terem que passar por um treinamento militar, afastando boa parte daquele sentimento de insegurança que alguns exemplos do gênero carregam.

Considerações

Vale ressaltar, no entanto, que algumas coisas podem incomodar um pouco quem busca uma experiência mais refinada. O enredo é bom, movimentado e com ideias bacanas, mas ainda cai dentro de alguns clichês e/ou situações que forçam um drama sem real interesse em desenvolvê-los depois.

Talvez o tempo tenha sido “o grande vilão”, como sempre, e alguns personagens não são devidamente trabalhados, assim como, para uma série que busca ser reconhecida pela seu realismo, a ausência de uma maior punição por parte das envolvidas pode chamar à atenção.

Os vilões até que “pagam o pato”, mas as heroínas, mesmo carregando passados trágicos, não chegam a sofrer muito com os efeitos da história, quase sempre revertendo as situações de forma positiva. Além, claro, daquele service “maroto” brotar em momentos oportunos; apenas para render o já apelativo character design das garotas.

Em linhas gerais, vale ser assistido?

Magical Girl Spec-Ops Asuka foi uma experiência interessante, sendo bem mais positiva do que eu imaginava. Não sou exatamente fã de “violência por violência”, mas o anime consegue aproveitar o conceito de garotas trabalhando com militares de forma adequada.

Para quem gosta de ação, e anime com um conteúdo mais adulto, vale a pena a tentativa, para quem espera mais profundidade ou uma fuga do gênero, talvez, seja necessário relevar algumas coisas para a obra funcionar.

Nota: 7 – Café submarino
Não sabe o significado das nossas avaliações? Descubra aqui: Menu de Notas.


©TROYCA/Nio Nakatani | “Parece que a Yuu se surpreendeu com o título!”

Magical Girl Spec-Ops Asuka está disponível no catálogo do serviço de streaming Crunchyroll.

Posts relacionados